A mulher iraniana, do choro ao silêncio


Tão simples no seu pressuposto e ainda assim uma das mais belas aberturas da história do cinema? Do negro que faz desfilar os créditos iniciais de The Circle, sonorizados pela associação a um parto, ao primeiro plano que deixa entrever a luz. Cessam os créditos, entra o choro, o branco em jeito de chegada ao mundo. Simples. Eficaz. Mera sequência de planos de contraste, de um antes e depois, capaz de contar o lugar da mulher na sociedade iraniana que tão bem a demarca e menoriza. "É uma rapariga", boa nova recebida com desagrado e medo por uma mulher. Vemo-la de costas, véu negro que a adorna, naquele momento despojada de individualidade e amostra do sexo julgado como menor. Inconformada, a mãe da mais recente mãe volta a questionar o sexo, numa réstia de esperança por um possível engano. "É uma linda rapariga", assim lho asseguram novamente. Desespero crescente, capaz de antever a reacção do pai ao saber o sexo da criança. Naquele instante nasce a mulher como ser colectivo.

Até ao negro que encerra a viagem? The Circle não mais é que a luta que lhes pinta a condição. Pequenas histórias incompletas, tidas in media res, entrecruzadas, largadas na ambiguidade de um desfecho e na certeza de se sofrer pelo simples facto de existir como mulher. Do choro que as traz ao mundo ao silêncio que as cobre.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

The Great Buddha+, o umbigo e o capachinho

A arte de comer esparguete

Ecrã de Haneke