Plano-sequência (#4): Le Révélateur (1968)

Philippe Garrel larga nas mãos do espectador um filme de cariz experimental, cuja total compreensão parece de alguma forma inatingível. Um filme mudo que apela à sua audiência com imagens marcantes, incluindo nas mesmas símbolos universais. 
São muitos os planos-sequência que poderiam ganhar destaque de forma a ilustrar o filme. Aquele que aqui se protagoniza arranca com um ritmo acelerado com a câmara já em movimento. Observa-se uma vedação de arame farpado no primeiro plano do enquadramento, a qual se mantém presente na totalidade do plano. Um homem e uma mulher levantam do chão uma criança chorosa. As mãos enlaçadas e a criança no colo transmitem os valores familiares e a necessidade de protecção que acorre daquele momento. Inicia-se a corrida, com os olhares sempre lembrados a cobrir a retaguarda do espaço que gradualmente abandonam. Está criado o palco onde as personagens podem trabalhar o tempo e o espaço. É visível a associação com um campo de guerra. Uma banda-sonora germina imediatamente na mente do espectador, preenchendo essa lacuna no ecrã. Quase se torna possível ouvirmos as explosões, as balas que se soltam das espingardas com o intuito de perfurarem os corpos em movimentos. Imediatamente se sabe que os gritos poderiam ser uma constante naquele cenário e o preenchimento desse som torna-se quase automático. 
O travelling lateral acompanha todos os movimentos do trio, aguardando aquando das paragens das personagens por entre as ervas e retomando o movimento cada vez que a fuga é novamente instalada. O choro de contornos genuínos da criança retira um pouco à teatralidade que se sente nos movimentos orquestrados do casal. Em momento algum se observa a causa daquela fuga, cabe ao espectador imbuir a sua imaginação na mesma. Apenas se observam os efeitos espelhados naquele seio familiar, podendo de alguma forma torná-los artificiais. 
Não sendo o plano-sequência mais inovador do filme, sem apresentar movimentos de câmara mais complexos, transmite por outro lado uma intensa carga dramática, ainda que se possa afirmar como bastante deslocada dos planos precedentes. 

Instante: 29:19 Duração: 3'31'

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crítica: Holocausto Canibal (1980)

TCN 2014: Nomeações

A ventoinha de Laura Palmer