Pier Paolo Pasolini

Se não nos tivesse deixado em 1975, talvez ainda hoje estivesse vivo. Neste preciso dia completaria 91 anos. O seu nome sonante na história do cinema traz-me sempre à memória Salò, or The 120 Days of Sodom (1975), o seu filmo mais controverso e que viria a ser igualmente o seu último. A primeira vez que tive a oportunidade de visualizar este filme foi uma experiência sem precedentes, tal foi a intensidade com que se cravou na minha memória. Obrigado por nos teres deixado esta obra-prima. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Crítica: Holocausto Canibal (1980)

Ecrã de Haneke

A arte de comer esparguete