Março em Filmes

O mês de Março ficou marcado pela minha incursão por entre o cinema fantástico de Jean Cocteau, algo a merecer uma continuação neste mês que agora se inicia. Também me debrucei um pouco mais pelo mundo do célebre Alain Resnais e voltei a deliciar-me com os filmes do realizador Tsai Ming-liang. O documentário Visions of Light ajudou-me a abrir os olhos para o cargo de director de fotografia. The Hourglass Sanatorium maravilhou-me com a sua estonteante mise-en-scène. Apesar de não constarem nesta lista, vários foram os filmes revistos no mês de Março, com o intuito de angariar imagens para um projecto a realizar futuramente na cadeira de montagem. Agora no que toca ao patamar negativo, foi um mês que se ilustrou pela inauguração da classificação "0/10". Posso não ter essa liberdade no IMDB, mas aqui o caso muda de figura.

Filme do mês: Der letzte Mann (1924), de F.W. Murnau - 10 (Crítica aqui)

Outros filmes visualizados:

Hiroshima, mon amour (1959), de Alain Resnais - 9/10
Knife in the Water (1962), de Roman Polanski - 9/10
$ 9.99 (2008), de Tatia Rosenthal - 9/10
Amarcord (1973), de Federico Fellini - 9/10
What Time is it There? (2001), de Tsai Ming-liang - 8/10
Orphée (1950), de Jean Cocteau - 8/10
Room 237 (2012), de Rodney Ascher - 8/10
Le sang d'un poète (1932), de Jean Cocteau - 8/10
Visions of Light: The Art of Cinematography (1992), de Arnold Glassman; Todd McCarthy - 8/10
Panique au village (2009), de Stéphane Aubier; Vincent Patar - 8/10
The Gold Rush (1925), de Charlie Chaplin - 8/10
The Last Picture Show (1971), de Peter Bogdanovich - 8/10
Le locataire (1976), de Roman Polanski - 8/10
The River (1997), de Tsai Ming-liang - 8/10
The Hourglass Sanatorium (1973), de Wojciech J. Has - 8/10
Tabu (2012), de Miguel Gomes - 8/10
L'âge d'or (1930), de Luis Buñuel - 7/10
L'illusionniste (2010), de Sylvain Chomet - 7/10
Prova d'orchestra (1978), de Federico Fellini - 7/10
The Beekeeper (1986), de Theodoros Angelopoulos - 6/10
The Lady from Shanghai (1947), de Orson Welles - 6/10
Beyoncé: Life is but a dream (2013), de Ed Burke; Beyoncé Knowles - 6/10
Balas e Bolinhos (2001), de Luis Ismael - 0/10

Curtas:

Toute la memóire du monde (1956), de Alain Resnais - 8/10
Guernica (1950), de Alain Resnais - 8/10
Le chant du Styrène (1959), de Alain Resnais - 7/10
Deus não quis (2007), de António Ferreira - 6/10

Comentários

  1. Estou a ver que foi um mês produtivo na revisitação de alguns bons clássicos :)
    Confesso que sou mais comedido a atribuir notas elevadas, mas se assim o entendeste como justo... continuação de bons filmes!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi um bom mês sem dúvida. Ando numa maré de sorte. Ou talvez ande apenas mais meticuloso na escolha dos filmes. Muitos dos filmes que vejo acabam por sofrer alterações nas classificações quando os revejo, para melhor ou pior. Mas muitas destas pontuações são claramente indiscutíveis para mim :)

      Abraço

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Crítica: Holocausto Canibal (1980)

Ecrã de Haneke

A arte de comer esparguete