Uns hipotéticos 93 anos...

Se não tivesse falecido em 1996, seriam grandes as probabilidades de ainda estar vivo e capaz de testemunhar o legado que deixou às gerações vindouras. Saul Bass é conhecido essencialmente pelo seu trabalho como designer gráfico, nomeadamente na indústria cinematográfica. Colaborou com grandes nomes da sétima arte, tais como Alfred Hitchcock, Otto Preminger, Stanley Kubrick e Billy Wilder. Os seus genéricos iniciais são extremamente criativos e atractivos, induzindo o espectador para o tema que irão ver tratado no filme.
‘try to reach for a simple, visual phrase that tells you what the picture is all about and evokes the essence of the story.
Em Vertigo (1958), observamos um encaixe perfeito no que diz respeito à aparição dos nomes pertencentes ao elenco e equipa técnica. Entramos em órbita através da pupila do par de olhos em questão e são nos dadas luzes sobre o que nos espera assistir. Sabemos entrar numa mente conturbada, espelhada numa espiral de loucura que se pinta de várias cores psicadélicas. Acompanhado pela música orquestrada por Bernard Herrmann, o genérico que inaugura o filme de Alfred Hitchcock é o meu predilecto por entre a carreira de Saul Bass.
It's a Mad Mad Mad Mad World (1963) empreende igualmente um genérico bastante original, que acaba por funcionar como que uma pequena animação isolada. 

Comentários

  1. Ele foi um gênio muito copiado pela simplicidade extremamente simétrica de seus traços imaginativos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É impressionante como, na maior parte das vezes, conseguia carregar tanto significado em linhas tão simples.

      Abraço,
      Rafael Santos

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Crítica: Holocausto Canibal (1980)

Ecrã de Haneke

A arte de comer esparguete