A montagem da censura

[Spoilers] A cena final do filme Nuovo Cinema Paradiso (1988), realizado por Giuseppe Tornatore, é uma das mais marcantes da história do cinema. Tornou-se um ícone na medida em que cortava com o pudor inerente a uma censura que ainda se afirma nos dias de hoje em algumas partes do globo. Quando Salvatore regressa ao Cinema Paradiso descobre que Alfredo deixou um filme montado por si. Ora o referido filme é nada mais do que as várias cenas de beijos outrora cortadas que Alfredo juntou para formar esta pérola. O padre local ordenava que as cenas que continham beijos fossem sempre cortadas, de forma a nunca alimentar a visão dos espectadores com tais actos romanceados. Alfredo acumula durante anos e anos os vários frames rejeitados para mais tarde os libertar da censura que os rotulava. Salvatore assiste ao pequeno filme e esvai-se em lágrimas. O espectador sente o mesmo quando tem como fundo a maravilhosa música de Ennio Morricone. Beijos partilhados numa cena extremamente poderosa que fica na história. Imagens que falam por si só.

Comentários

  1. É o meu filme preferido, por isso não podia deixar de comentar. Essa cena é para mim das mais belas e comoventes cenas que já vi no cinema. O que dizes é exactamente o que sinto. Após ver o filme, quando chego a esse final já não o personagem, mas sim eu que estou ali, me comovo, rio e choro com o que vejo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho sempre dificuldade em descortinar o meu filme preferido, mas este é sem dúvida um deles. É uma homenagem à própria essência do cinema. Percebo-te, a cena chama realmente pelas nossas emoções. E a música não é menos do que perfeita.

      Cumprimentos,
      Rafael Santos
      Memento mori

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Crítica: Holocausto Canibal (1980)

Ecrã de Haneke

A arte de comer esparguete