A prenda de aniversário que falhou a Emmanuelle Riva

A minha maior frustração nesta 85ª edição dos Óscares da Academia advém do prémio de Melhor Actriz. Emmanuelle Riva, que celebrou os seus 86 anos na noite da cerimónia, viu a sua representação em Amour falhar em termos de reconhecimento pela Academia. Jennifer Lawrence acabou por sair vencedora pelo seu papel em Silver Linings Playbook, sendo esta a candidata mais fraca por entre as cinco nomeadas na categoria. Esta é claramente a minha opinião pessoal, que entra em discordância com a Academia e muitos críticos, mas Riva é a indiscutível vencedora. 
Amour teve o reconhecimento que lhe era prometido, ao sair galardoado com o prémio de melhor filme estrangeiro. Ver Michael Haneke a subir ao palco para receber a estatueta dourada foi sem dúvida um dos melhores momentos da noite. 
Django Unchained terminou a noite com um Óscar em cada mão. Tanto Quentin Tarantino como Christoph Waltz foram justos vencedores. 
Daniel Day-Lewis quebrou o recorde de maior número de vitórias na categoria de Melhor Actor, ao levar para casa o seu terceiro Óscar por interpretar Abraham Lincoln de uma forma brilhante.
Ang Lee foi talvez a maior surpresa da noite ao arrecadar o prémio de Melhor Realizador por tomar as rédeas de Life of Pi, o filme que acabou a noite com mais prémios no bolso. Quanto a mim, os quatro prémios foram justamente merecidos. 
Argo termina a noite com três Óscares, sendo estes de Melhor Argumento Adaptado, Melhor Montagem e o tão cobiçado Melhor Filme. Apesar das minhas preferências pessoais recaírem sobre Amour e Django Unchained, o filme de Ben Affleck foi um vencedor um tanto ou quanto justo por entre o leque de nomeados. 
No que toca à cerimónia em si, apesar dos seus variados momentos musicais, não proporcionou o entretenimento que idealizava, apesar de estar uns pontos acima da edição anterior. O auge da noite foi Catherine Zeta-Jones a recuperar a sua Velma Kelly dez anos depois. Após ver a sua deslumbrante performance com All That Jazz deu-me logo vontade de rever Chicago (2002)

Comentários

  1. São opiniões ! Sabes que a academia pode ser bastante comercial...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim claro, é o factor que mais me afasta dos óscares, apesar de ver a cerimónia ano após ano.
      É isso mesmo, são opiniões, é impossível agradar a todos :P

      Cumprimentos,
      Rafael Santos
      Memento mori

      Eliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Crítica: Holocausto Canibal (1980)

TCN 2014: Nomeações

A ventoinha de Laura Palmer