Porque os trailers também merecem (VIII)

Por vezes podem revelar demasiado e estragar qualquer surpresa que pudesse advir da visualização do filme. Podem ser manipulados de forma a dar a entender outro propósito sobre o filme. Podem chamar um espectador ou de certa forma repeli-lo. Mas é inegável que um trailer é um pedaço de montagem importante na consciencialização dos espectadores para uma determinada obra cinematográfica. Assim espero iniciar um espaço regular em que recolho o que de melhor se faz nesta pequena arte que promove a sétima arte. 
O segundo filme se Steve McQueen traz consigo um material promocional interessante. Esta pequena sucessão de imagens visa a promoção do filme Shame (2011) e prepara-nos para a carga física e emocional que o protagonista carrega consigo. A respiração cada vez mais crescente que se coloca lado a lado com a corrida mas que não se limita a espelhar esta. Ficamos a perceber que entrar no mundo desta personagem será algo mais complexo do que superficialmente aparenta ser. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

The Great Buddha+, o umbigo e o capachinho

A arte de comer esparguete

Ecrã de Haneke