Quando a música se transcende em belo cinema...

Quem conhece bem os Sigur Rós não necessita que lhes diga o quão boa é a sua música. Mas eu apenas comecei a ouvir à apenas alguns dias atrás. Já tinha ouvido falar da banda islandesa em várias ocasiões mas nunca tinha chegado o momento de dispensar alguns minutos para ouvir algo que fosse. Decidi aventurar-me pelo sexto álbum da banda lançado a Maio de 2012 intitulado Valtari. E tive uma experiência como poucas músicas, que não no género clássico, me conseguem proporcionar. Uma música absolutamente fascinante a que não consigo ficar indiferente. O curioso deste álbum, e o propósito de o estar a referir neste blogue dedicado ao cinema, é que a banda decidiu dar a oportunidade a alguns realizadores de fazerem parte deste projecto. A banda forneceu um orçamento igual para cada um deles e simplesmente lhe pediu para criarem o que lhes viesse à mente quando ouviam as músicas. Sem regras, simplesmente filmar o que a música lhes suscita. E os resultados são bastante variáveis e mesmo muito interessantes. Até à data foram realizados 15 pequenos filmes num projecto com o nome de The Valtari Mystery Film Experiment. Todos merecem uma espreitadela, mas para já deixo apenas aqueles que me proporcionaram uma verdadeira libertação dos sentidos. Verdadeiras experiências cinematográficas.  O 1º vídeo, 3º da colecção, ilustra a música Fjogur Píanó. O 2º vídeo aqui apresentado enquadra a música Ekki Múkk e é o décimo nesta experiência cinematográfica. O 3º vídeo, 2º no que toca a este projecto,  complementa a música Varúd. Aconselho a verem os restantes vídeos pois são pequenas obras de arte. (http://www.sigur-ros.co.uk/valtari/videos/)



Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Crítica: Holocausto Canibal (1980)

Ecrã de Haneke

A arte de comer esparguete